Novos aglomerados de galáxias são apresentados no DES

06 de dezembro de 2018 | LIneA

Um algoritmo diferente do habitual para encontrar aglomerados de galáxias – e desenvolvido em nosso laboratório – foi apresentado nessa quarta-feira na reunião do Dark Energy Survey ( DES) que está acontecendo na Unicamp.

Aglomerados de galáxias são, como o nome diz, regiões no universo que tendem a concentrar mais galáxias que o normal. São as maiores estruturas gravitacionalmente ligadas do universo e, em geral, suas galáxias possuem uma população de estrelas mais velhas, o que se traduz em uma cor mais avermelhada. Diferentemente, estrelas muito jovens – luminosas e quentes – são mais azuis, como em nossa galáxia espiral – a Via Láctea.

Essa propriedade dos aglomerados, de apresentarem galáxias com uma cor mais avermelhada, é usada por vários algoritmos para identifica-los. O problema é que na medida em que exploramos o universo distante – e mais jovem, essa concentração de galáxias vermelhas tende a ser substituída por galáxias mais jovens e azuladas, e assim o algoritmo perde a capacidade de encontrar aglomerados.

É aí que entra o WAzP, um algoritmo desenvolvido pela consórcio DES-Brazil, que ao invés de usar cores das galáxias, usa o redshift fotométrico para indicar a distância desses objetos e assim resolver problemas de projeção, quando aglomerados numa mesma linha de visada podem ser confundidos. O trabalho com o WAzP foi apresentado pelo pós-doutorando Michel Aguena ( INCT do e-Universo) com resultados referentes a identificação de aglomerados utilizando os dados selecionados até o terceiro ano de observação. Um exemplo de aglomerado à meia distância da amostra pode ser visto na Figura 2. Os resultados utilizando os dados do primeiro e terceiro ano, assim como simulações numéricas, serão incluídos em artigos atualmente em preparação.

blank
Figura 1 – Michel Aguena apresentando plenária sobre cosmologia com aglomerados de galáxias usando o código WAZP. Crédito da imagem: R. Ogando.
blank
Figura 2 – Aglomerado à distância intermediária, encontrado pelo WAZP. Note a aglomeração de galáxias mais avermelhadas. Crédito da imagem: DES, obtida via Target Viewer desenvolvido pelo LIneA

Brasileiros participam desta colaboração através do consórcio DES-Brazil, que por sua vez é apoiado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do e-Universo ( INCT do e-Universo) e pelo Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia ( LIneA). O LIneA é apoiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação, e Comunicações; Fundação Carlos Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro; Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico; e Financiadora de Estudos e Projetos.

Deixe um comentário